primeira sede do tce-pr

1957
Primeira sede do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, na Rua Ermiliano de Leão nº 513 (29/05/1957).
1957
Primeira sede do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, na Rua Ermiliano de Leão nº 513 (29/05/1957).

Solenidade plenário: antiga sede

1967
Governador Paulo Pimentel participa da solenidade no plenário na antiga sede do Tribunal de Contas do Estado do Paraná. Presentes os conselheiros João Féder, Antônio Ferreira Rüppel, Nacim Bacilla Neto, Raul Viana e Rafael Iatauro, além do procurador-geral Ezequiel Honório Vialle.

InauGuração sede tribunal

1977
A década de 70 se destaca com a mudança física do TCE-PR, que deixa o prédio na Rua Ermilino de Leão e vai para o novo edifício, ao lado do Palácio Iguaçu.
1977
A década de 70 se destaca com a mudança física do TCE-PR, que deixa o prédio na Rua Ermilino de Leão e vai para o novo edifício, ao lado do Palácio Iguaçu.

Edifício anexo

1987
Construcão do Edifício-Anexo do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

Solenidade plenário: antiga sede

1997
Funcionários se reúnem para foto em comemoração ao Cinquentenário do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.
1997
Funcionários se reúnem para foto em comemoração ao Cinquentenário do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

Sessão ao vivo

2007
1ª Sessão ao vivo,
televisionada: Transparência da Gestão.

Portal informação para todos

2017
Com o avanço da tecnologia da informação, o TCE-PR integra seus sistemas de fiscalização a bases de dados próprias e externas na Malha Eletrônica, que permite o controle imediato do gasto público e a prevenção de desvios e o mau uso do dinheiro. A tecnologia também favorece o controle social. Por meio do Portal Informação para Todos (PIT), o cidadão pode acompanhar os principais gastos, como obras, diárias de viagem e combustível.
2017
Com o avanço da tecnologia da informação, o TCE-PR integra seus sistemas de fiscalização a bases de dados próprias e externas na Malha Eletrônica, que permite o controle imediato do gasto público e a prevenção de desvios e o mau uso do dinheiro. A tecnologia também favorece o controle social. Por meio do Portal Informação para Todos (PIT), o cidadão pode acompanhar os principais gastos, como obras, diárias de viagem e combustível.